top of page
Buscar
  • Foto do escritorScheila Adriane

Nosso passado nos define? Por Inelia Benz.

Atualizado: 28 de jul. de 2023


Tivemos uma aula fantástica em fevereiro de 2023 chamada “ Reencarnação – Fugindo do Ciclo de Vida e Morte”. Nele, abordamos o que exatamente nos torna quem e o que somos hoje.


Quando olhei para a possibilidade de que talvez as memórias nos definem, encontrei uma linha de energia que realmente empurra essa crença para a sociedade em geral.


Esta agenda não é apenas empurrada para as pessoas em sua própria identidade pessoal, mas também em um nível de identidade social. Socialmente falando, muitos grupos tomam a história oral ou escrita como parâmetro de identificação do grupo.


Essa identidade é então usada para definir a ação e a normalidade da experiência dentro desse grupo.


Na vida, conheci muitas pessoas que fizeram de uma ou mais situações vividas a base de sua identidade, decisões e personalidade. Para eles, aquela situação foi um momento decisivo.


Essa característica, de uma pessoa se definir dessa forma, me deixou curiosa e resolvi olhar mais de perto o porquê de estar fazendo isso.


Alguns detalhes comuns entre essas pessoas me surpreenderam.


Uma dessas particularidades era que, em cada caso, a memória definidora do evento passado mantinha a pessoa em um caminho muito bem definido e estreito na vida. O outro aspecto foi que eles usaram a memória como permissão para se comportar de determinadas maneiras e fizeram dela a razão de seus sentimentos, decisões e visão de mundo presentes.


Afastei-me um pouco das linhas de energia individuais e examinei dados mais amplos e descobri que, para todos que conheci, a familiaridade induzia um nível de conforto e prazer que algo desconhecido não era capaz de causar, por mais agradável que fosse.


Por exemplo, digamos que você goste de uma nova música que está tocando no rádio (eu sei, tecnologia antiga, mas traduza para onde você pode ouvir música). Você rapidamente obtém o nome dela e depois a ouve várias vezes durante a semana. Cada vez que você ouve a música, você se torna mais familiarizado com ela e, portanto, emoções mais fortes estão ligadas a ela.


Então essa é a chave aqui; quanto mais você está exposto a algo, mais familiar ele se torna e mais fortes são suas emoções em torno dele. Até atribuímos a palavra “familiar” a algo que reconhecemos e geralmente temos sentimentos positivos em relação a isso.


Isso também se traduz em locais, situações, pessoas, objetos e até nos próprios sentimentos. Uma coisa nos dará um sentimento específico e o sentimento é tão familiar que não percebemos que pode ser prejudicial ou que não é a maneira saudável de responder a algo que está acontecendo. É apenas a maneira familiar de responder a isso e, portanto, nós o aceitamos.


Então, essa é a chave. Quando algo é familiar, tendemos não apenas a aceitá-lo, mas também pensar que é positivo e permitir que dite nossa experiência geral. Permitimos que defina nosso mundo interior de sentimentos e pensamentos, nossas decisões e nós mesmos.


À medida que nos tornamos conscientes disso, somos capazes de atribuir diferentes parâmetros ao que nos define e às nossas experiências.


Podemos identificar situações recorrentes, ou até mesmo memórias do passado, e mesmo que pareçam familiares (e, portanto, normais), podemos simplesmente dizer “não” a elas e começar a nos reconectar com novas experiências recorrentes (de nossa escolha) e expor-nos às memórias de outras pessoas que são saudáveis ​​e fortalecedoras.


Como adultos empoderados, agora podemos decidir o que nos define e o que é familiar.


Podcast deste episódio:


Outros artigos que você pode gostar:

Fizemos o nosso trabalho, agora faça o seu e compartilhe :) Telegram da Inelia em Português: https://t.me/ineliapt



Tradução: Scheila Adriane


25 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
bottom of page