Buscar

Vamos fazer de conta - A vida livre do medo! Por Inelia Benz


Ao fazer de conta, iniciamos um resultado possível na vida real. As crianças fazem isso naturalmente e os animais também quando brincam. Eles fingem fazer o que precisam fazer, ou querem aprender a fazer, quando crescerem.


Ao fazer de conta, colocamos nossas mãos no campo da possibilidade infinita que é o espaço entre os pensamentos e a área entre as partículas em cada átomo.


Trazemos algo que não existia em nossas mentes antes. Ao fazer de conta, nos damos permissão para ignorar "o que é real", "o que é possível" e "o que é factível", e simplesmente permitimos que exista em nossa imaginação, em nossa escrita, em nossos desenhos, em nossos jogos e em nossas conversas.


Imagine, finja, escreva ou desenhe sobre uma vida sem medo. SUA vida . Qual seria a sua aparência? O que você faria?


Eu mesmo estava olhando para isso, e a primeira coisa que me veio à mente foi, eu iria “olhar mais”. Amo olhar, adoro observar. Ter que ser uma voz pública para aumentar a consciência, empoderamento e conscientização no planeta é uma agenda lotada, e simplesmente olhar foi para o fim da lista. Mas, enquanto me entregava ao meu jogo de imaginar um mundo SEM MEDO, meu trabalho de elevar a consciência e elevar a vibração do planeta estava concluído. Eu simplesmente fiquei com a prática de Observar. Olhar. Explorar. E isso era fascinante por si só.


Quando, em janeiro de 2010, fui convidada a abrir o canal, não tinha ideia do motivo. Ou mesmo porque eu. Ocorreu-me que as pessoas que haviam entrado para fazer aquele trabalho de alguma forma foram retiradas do jogo e eu era seu décimo plano reserva. A razão pela qual pensei isso é porque sou uma pessoa extremamente reservada e prefiro ver e observar, em vez de ser vista ou observada.


Particularmente porque Inelia Benz é irrelevante e realmente não existe. Nada para ver aqui.


À medida que nos afastamos do paradigma Salvador / Agressor / Vítima / Mártir, a necessidade de salvadores e guias, ou divindades como foco de nossa atenção, não é mais necessária. Todas as informações de que podemos precisar já estão disponíveis. E se não estiver disponível imediatamente, muitas pessoas estão trabalhando para torná-la disponível. Se alguém realmente quiser descobrir algo, ele pode. O tempo de um guru ou iogue “dando” experiência de iluminação a outros não é mais útil. O que nos resta é a lembrança e vários pontos de vista. Quanto mais pontos de vista, pontos de vista diferentes, olhando para o mesmo assunto, mais podemos acessar sobre esse assunto.


O novo papel daqueles que no passado podem ter iniciado grupos, religiões e seguidores, é simplesmente inspirar uma audiência a olhar para o que o orador está vendo, olhando, explorando, e não a si mesmos - o orador. A pessoa na plateia pode ir e vir à vontade, ouvir e explorar novas visões com diferentes oradores à vontade e, quando tudo for visto, e ele ou ela puder acessar uma nova visão, comece a falar e expressar essas visões para que outros possam experimentar esse novo ponto de vista também. Nessa nova estrutura, o orador se torna irrelevante.



E ao imaginar um mundo sem medo, o que resultou foi a compreensão de que PODEMOS COMEÇAR AGORA. Pois duas ou mais pessoas olhando na mesma direção, fingindo a mesma coisa, ou pretendendo a mesma intenção, trazem um nível de “concordância” para a construção de realidade que chamamos de universo físico.


Uma das “leis” da realidade física é que ela existe por acordo. O acordo vem em pacotes, programas, crenças culturais, redes sociais, religiões e todos os tipos de outras coisas.


No momento, nossa realidade está cheia de medo. O medo está em toda parte, em todos os aspectos de nossas vidas. No entanto, é apenas um “ponto de vista”. Uma expressão enérgica de apegos, sobrevivência e evitação. Algumas pessoas acreditam que “o medo é necessário para a sobrevivência”. Outros acham que não há problema em sentir, mas mesmo assim fazem as coisas, e sim, essa é uma maneira de começar a dissolver o medo, porque percebemos que o céu não caiu quando fizemos o que tínhamos medo, mas esse método pode ser longo e árduo e pode sair pela culatra. Outros tentam suprimi-lo, afastá-lo ou escondê-lo em uma bolha de luz. Mas, ao afastá-lo, o tornamos mais forte. Então, nós o processamos. E isso funciona muito, muito bem a nível individual. Quanto mais medo é resolvido através de seu processamento, mais elevada se torna nossa própria vibração e mais expansiva se torna nossa consciência.


E agora, imaginando nossa vida sem medo, e então um mundo sem medo, podemos trazer uma nova possibilidade de paradigma para a consciência coletiva humana.


Então era assim que minha vida era, e é isso que decidi fazer diferente: decidi começar a olhar, observar agora e não esperar até terminarmos nosso trabalho no planeta. Eu quero olhar, e eu convido você a olhar para onde eu estou olhando simplesmente porque é fascinante e quanto mais de nós olhamos, mais descobrimos e lembramos.


Para este mês, vamos passar algum tempo, mesmo que alguns segundos, olhando para a “realidade” de ter a vida pessoal e o planeta livres do medo.


Pegue uma caneta e papel e expresse como é a SUA vida SEM MEDOS.

O que diz você?




Fonte: https://ineliabenz.com

Tradução: Scheila Adriane

34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram